quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

A família Alves, que já deu tantos políticos, inclusive, senadores, governadores e ministros, veio da região de Macau. Veja o batismo de José Alves Martins, bisavô de Aluízio Alves, incluso no artigo.​

sábado, 17 de janeiro de 2015

Senador, os Alves vieram de Macau




João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, membro do IHGRN e do INRG
No velório da escritora Ana Maria Cascudo Barreto, estávamos em uma roda de amigos, quando Severino Vicente provocou o Senador Garibaldi Alves: João Felipe diz que os Alves vieram de Macau. Garibaldi, então, falou: mas não foi de Angicos?
Comecei a responder, mas a chegada contínua de pessoas impediu a complementação do assunto. Por isso, dou continuidade àquela conversa interrompida, neste artigo, embora já tenha tratado desse assunto em outros artigos.
Em 1810, administrava a Ilha de Manoel Gonçalves, pião de várias terras da região do Assú, José Álvares Lessa. Em 1818, o português e morador da Ilha de Manoel Gonçalves, João Martins Ferreira escrevia para o governador da província, José Ignácio Borges dando notícia da invasão da dita ilha por corsários ingleses. Era casado com Josefa Clara Lessa, possivelmente, filha de José Álvares Lessa. Em 1823, capitão, encontramos João Martins Ferreira como testemunha ou padrinhos em várias localidades do Assú.
A invasão contínua das águas oceânicas sobre a Ilha foi obrigando seus moradores a se deslocaram para outras localidades, sendo a preferência maior pela então Ilha de Macau, ainda sem habitantes, tendo somente, por lá, alguns práticos. Na lista dos primeiros habitantes de Macau aparecem o capitão João Martins Ferreira, seu filho major José Martins Ferreira e mais quatro genros, segundo a tradição oral.
No período que vai de 1830 até 1834, encontramos os batismos de quatro filhos do major José Martins Ferreira e Delfina Maria dos Prazeres. Nesses registros, onde esses filhos têm seus registros um atrás do outro, por se tratar de reconhecimento de paternidade, consta que eles foram batizados em Macau, embora em outros registros, encontrados isoladamente, as localidades de alguns batismos sejam diferentes. No caso de José Alves Martins, o segundo filho dessa lista, ele foi batizado em Guamaré.
Pois bem, José Alves Martins, casou com Francisca Martins de Oliveira, no dia 27 de novembro de 1852, em Curralinho. Não havia informações dos pais dos nubentes. Em uma das mensagens de um Presidente desta província do Rio Grande do Norte, vamos encontrar a notícia do assassinato dele, em 1871, na povoação de Rosário, por um sócio, João Rodrigues Ferreira.
Em uma das minhas viagens a cidade do Assú, encontrei, no Fórum João Celso da Silveira Filho, o inventário do falecido, tendo como inventariante, e ao mesmo tempo tutor dos filhos órfãos, seu irmão mais velho, Manoel José Martins, ambos inventariante e inventariado moradores em Cacimbas do Viana.
Na relação desses filhos constavam: José Alves Martins (Jr.), 18 anos; João Alves Martins, 13; Francisco Alves Martins, 12; Joaquim Alves Martins, 11; Militão Alves Martins, 10; Josefina Emília Alves Martins, 8; Delfino Alves Martins, 7; Maria, 5; e o caçula Manoel Alves Martins, com 4 anos de idade.
Em 10 de janeiro de 1879, Dona Josefina Emília casou com Absalão Fernandes da Silva Bacilon, natural de Santana do Matos.  Esse casal gerou Dona Maria Fernandes (D. Liquinha) e Dona Jesuína, que casaram, respectivamente, com Manoel Alves Filho e Jose Fernandes Silva.
Manoel Alves Martins, o mais novo de todos os filhos do José Alves Martins, em 1888, foi emancipado por completar 21 anos. Casou, primeiramente, com Joaquina Teixeira Martins, nascendo desse casamento, aos 2 de dezembro de 1890, um único filho, Manoel Alves Martins Filho. Enviuvando, casou com Maria Ignácia da Conceição. Desse casamento, nasceram vários filhos, entre eles Manoel Alves Filho, aos 10 de agosto de 1894, que casou com sua prima legítima Maria Fernandes (D. Liquinha). Martins desapareceu do sobrenome dos descendentes.
O percurso, portanto, da família Alves, aqui no Rio Grande do Norte, foi Ilha de Manoel Gonçalves, em seguida Macau, depois Cacimbas do Viana (Porto do Mangue), Santana do Matos, e, finalmente, a mais conhecida, Angicos. Os Fernandes (aqui desapareceram os sobrenomes Alves e Martins) onde a maior estrela foi Aristófanes, filho de Jose Fernandes da Silva e Jesuína Fernandes, permaneceram em Santana do Matos.
Inicialmente, alguns dos filhos do major José Martins Ferreira se assinavam como Martins Ferreira, mas com a chegada de outros filhos, com o mesmo nome, do seu segundo casamento com Josefina Maria Ferreira, foi introduzido o sobrenome Alves, que talvez seja originário de José Álvares Lessa, português de Leça da Palmeira, e antigo administrador da Ilha de Manoel Gonçalves.

Batismo de José Alves Martins

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Revolta do Juazeiro, chefiada pelo padre politiqueiro Cícero Romão Batista.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

O marechal e o padre, 1914




João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, membro do IHGRN e do INRG

No jornal “A Época”, de 3 de janeiro de 1914, digitalizado pelo Hemeroteca Nacional, há uma matéria com o título: Fracassou o projeto de acordo entre aciolistas e rabelistas para normalizar o Ceará. Nessa matéria, teremos oportunidade de conhecer melhor o marechal Hermes, que apoiou a sedição de Juazeiro, chefiada pelo padre Cícero, uma das páginas mais vergonhosas da república brasileira. Está escrito lá:

Ontem, à tarde, quando tumultuosamente palpitava a multidão na expectativa ansiosa de rever e aplaudir essa inconfundível e arrojada figura de Santos Dumont, palestravam, à porta do cinema Avenida, dois nortistas, que exercem influência  na política  dos respectivos Estados.
Um deles, rabelista ardoroso, relatava ao seu companheiro, adversáriocuragé(?) da oligarquia norte-riograndense, o insucesso das negociações propostas pelo marechal Hermes, no sentido de ser obtida a pacificação do Ceará.

- O fracasso do acordo que se pretendia realizar, ou melhor, que o marechal patrocinava, como advogado da facção oposicionista, é um fato. O Moreira da Rocha, como representante de Franco Rabello, assegurava a anistia aos rebeldes, caso eles depusessem as armas, sendo condição indispensável ao cumprimento dessa medida, a retirada dos Drs. Lavor e Floro Bartholomeu, de Juazeiro, onde as suas presenças determinariam de futuro, a reprodução dos acontecimentos, que se estão desenrolando naquela região.

Como se vê, as condições propostas pelo Franco Rabello são as mais aceitáveis, e, se, realmente, houvesse, por parte do marechal, o desejo sincero de fazer cessar a luta fratricida, nenhum outro meio melhor do que esse se lhe antolharia.

- E que respondeu o marechal ao Moreira da Rocha? – atalhou o interlocutor.

- A princípio, teve evasivas, terminando, porém, por dar a entender claramente ao representante cearense, que os rebeldes não aceitariam, de modo algum, a proposta  do Sr. Franco Rabello. Pretendiam eles muito mais do que lhes oferecia, isto é, aspiravam ascender aos cargos públicos e ver admitida a sua influencia na política estadual.

O Moreira da Rocha teve, então, um momento de desânimo, mas refazendo-se logo, propôs ao marechal, que o observava com o olhar perquiridor:

- V. Ex. poderia, neste caso, telegrafar ao padre Cícero, salientando a sua reprovação ao movimento de rebeldia que ele se fez chefe, o que, estou certo, determinaria uma profunda modificação na sua conduta.

O marechal, como resposta, teve um largo gesto teatral que acompanhou de uma frase mais ou menos equivalente a esta:

- Não! Eu não me posso corresponder com o padre Cícero!

- Mas V. Ex., por ocasião da campanha eleitoral no Rio Grande do Norte, telegrafou ao capitão J.da Penha, procurando demovê-lo da luta.

- Fi-lo, mas, naquele caso, tratava-se de um companheiro de armas, com um nome e uma reputação respeitáveis, com quem eu me podia corresponder sem desdouro, e não um bandido como o padre Cícero.

Antes essa recusa formal, o Moreira da Rocha deu por terminada a sua missão e retirou-se.
Continuou, então, o autor da matéria do jornal “A Época”.

Afora a barretada ridícula e extemporaneamente feita ao ardoroso republicano capitão J. da Penha, tudo mais que Sua Ex. disse ao Sr. Moreira da Rocha, demonstra de modo patente, muito embora as afirmações em contrário, que S. Ex. se mantém irredutível ao lado dos rebeldes de Juazeiro e veria de muito bom grado a realização dos seus intuitos de deposição do governador.

É irrisória a declaração do marechal de que não pode corresponder-se com um bandido como o padre Cícero, quando nós vemos S. Ex., a servir de mediador entre duas facções em luta, uma das quais precisamente constituída pelos amigos e companheiros do famigerado sacerdote a quem S. Ex. tão pejorativamente se referiu.

E como o marechal não está disposto a descer do alto de sua dignidade para telegrafar ao bandoleiro “ousado”, que lhe manda diariamente notícias suas, o Ceará continuará mergulhado em sangue, até que o Sr. Franco Rabello jugule de vez o movimento e castigue os culpados com o merecido rigor.

No dia 22, do mês seguinte a essa matéria, era assassinado em Miguel Calmon, por um jagunço do grupo apoiado pelo governo federal, o capitão tão elogiado pelo marechal. Como se sentiu o Presidente da República, nessa hora, com a morte do seu colega de armas?

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

A saudade que se faz sertão...

Fátima Arruda*

Foto de acervo
Há um ano, o Seridó recebia Moacy Cirne de volta às suas raízes. Como companheira desse seridoense, que reverberava a caatinga com suas terras áridas por onde andou, resgato hoje a memória do sertão, que simboliza esse retorno às suas origens. Ainda jovem, ao deixar as terras nordestinas, levou consigo a essência do que tinha sido a sua infância no sertão, o que norteou suas inspirações, sua irreverência e inquietude ao longo de todas as andanças existenciais.

Hoje optei por ouvir Luiz Gonzaga, rasgando com sua voz sertaneja esse nosso céu tão límpido de verão, em duas de suas canções, que em muitas de nossas viagens vivenciais tanto nos emocionou, por serem tão intensas, tão verdadeiras. Ao ouvi-las neste momento, sinto de forma mais intensa a dor e a angústia que Gonzagão conseguiu expressar através de ambas, e que por isso, tão bem rememoram a lacuna deixada por Moacy entre nós - Légua Tirana e a Morte do Vaqueiro.

E por que Légua Tirana? Porque trata da distância no espaço vivencial, no tempo existencial, seja qual for a distância da qual queiramos nos queixar. Para muitos de nós, essa distância se tornou pra lá de tirana porque sem esse cabra da peste, se fez infinita.

E por que A Morte do Vaqueiro? Porque nos diz de um homem corajoso que se vai, no seu caminho solitário – o caminho de volta à terra mater. Morre esse nordestino sem deixar tostão, sem levar consigo seu matulão, mas deixa um legado literário e afetivo que a voracidade do tempo não há de apagar.

Não a toa, havia em suas auroras vivenciais uma “leitura crítico-afetivo-libertinária do que era, do que fazia, do que sentia”; por isso, “era feliz e sabia”.

Hoje, continua a vida a nos acontecer, através de alumbramentos, auroras, crepúsculos, alegrias e dores. E através da solidão que perpassa o viver. Que continue a vida também a acontecer através do resgate dos encantamentos desse nordestino cabra da peste. Reverberemos a sempre renovada emoção de Moacy ao falar do poema processo, dos quadrinhos, do cinema e de seus diretores, do fluminense, enfim, de tantas e tantas das suas paixões. Talvez, assim, possamos encurtar essas léguas tão tiranas porque infinitas, na ausência desse poeta porreta.

Fátima Arruda, em 11/janeiro/2015

*Com post na página do Bar de Ferreirinha

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Severina Cláudia, meu elo seridoense




João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, membro do IHGRN e do INRG
Minha mãe, Dalvanira Avelino Trindade, hoje com 96 anos, nasceu em Angicos, mas era filha da seridoense Severina Cláudia da Conceição, natural de Florânia, segundo seu batismo: Severina, filha de Alexandre Garcia da Cruz e de Rita Maria da Conceição, nasceu em 07 de julho de 1895, foi batizada na Matriz de Flores, aos 18 de agosto de 1895, pelo Padre Antônio da Silva Pinto, e os padrinhos foram João Porfírio, e Maria da Conceição. 

Há, também, o registro civil desse nascimento, mais completo: Aos dois dias do mês de agosto de 1895, nesta Vila de Flores, compareceu em meu Cartório o cidadão Alexandre Garcia da Cruz,  e em presença das testemunhas abaixo assinadas declarou que no dia sete de julho deste mesmo ano, no Sitio Fechado deste Distrito de Flores, às nove horas da noite, nascera e conserva-se viva uma criança do sexo feminino e que se havia de chamar Severina Cláudia da Conceição, filha legítima de Alexandre Garcia da Cruz e Rita Maria da Conceição, criadores, naturais e residentes neste Distrito; sendo avós paternos Manoel Rodrigues da Cruz e Ignácia Maria da Conceição, falecida, e avós maternos Ignácio Rodrigues da Cruz e Maria Alexandrina de Jesus, todos residentes neste mesmoDistrito; de que para constar lavrei este termo que vai assinado pelo declarante e as testemunhas. Eu, José Marinho de Araújo, escrivão, escrevi.  Alexandre Garcia da Cruz, declarante; Soter Batalha de Araújo e Sebastião Carneiro de Mello, testemunhas.

Os pais de Severina Cláudia eram primos carnais, pois Manoel Rodrigues da Cruz e Ignácio Rodrigues da Cruz eram irmãos, como também suas respectivas esposas, Ignácia Maria da Conceição e Maria Alexandrina de Jesus. Mas, Severina Cláudia rompeu a sequência de casamentos consanguíneos quando casou com meu avô, Cícero Torres Bezerra Avelino, natural de Angicos.

Entretanto, um irmão de Severina Cláudia casou no Seridó: Manoel Tertuliano de Medeiros (tio Neco) contraiu matrimônio em 24 de dezembro de 1917, no Sítio Poço dos Cavalos, em Jucurutu, com Maria Adalgisa de Medeiros (tia Lilia), filha de Pacífico Clementino de Medeiros e de Ana Tereza de Jesus, ele morador em Angicos, e ela em Jucurutu, celebrante Padre Esmerino Gomes, testemunhas Silvino Garcia do Amaral e Euclides Clementino de Medeiros; foram dispensados do parentesco de consanguinidade de 4º grau atingente ao 3º.

O parentesco muito próximo dos pais de minha avó, que chamávamos de Madrinha, gerou apenas quatro bisavós para ela: Thomaz Lourenço da Cruz e Maria Rosa do Nascimento eram pais de Manoel Rodrigues e Ignácio Rodrigues; enquanto Alexandre Garcia do Amaral e Angélica Maria do Rosário eram os pais de Ignácia Maria da Conceição e Maria Alexandrina de Jesus. 

Thomaz Lourenço casou com Maria Rosa do Nascimento, aos 22 de setembro de 1814, sendo ele filho de José Garcia de Sá Barroso e de Anna Rita, falecidos, e ela de Manoel Rodrigues da Cruz e Thereza Maria José. José Garcia, por sua vez, era filho de Antonio Garcia de Sá Barroso e Anna Lins de Vasconcelos, enquanto Ana (Gertrudes de Santa) Rita era filha de Thomaz de Araújo Pereira (2º) e Thereza de Jesus Maria. Já, Manoel Rodrigues era filho do português Francisco Cardoso dos Santos e Thereza Lins de Vasconcelos, enquanto Thereza Maria José era filha de Thomaz de Araújo Pereira (2º) e Thereza Maria de Jesus. Ana Gertrudes de Santa Rita era, portanto, irmã de Thereza Maria José.

O outro bisavô de Madrinha Severina, Alexandre Garcia do Amaral, casou com Maria Angélica em 8 de outubro de 1825, sendo ele filho de João Garcia do Amaral (ou de Sá Barroso) e Maria Rosa da Conceição, e ela de Ignácio Ferreira de Macedo (ou Ferreira Bittencourt) e Helena Maria de Santa Tereza. João Garcia, também, era filho de Antonio Garcia de Sá Barroso e Anna Lins de Vasconcelos, enquanto Maria Rosa da Conceição era filha de João Damasceno Pereira e Maria dos Santos Pereira. Já Helena, que casou com Ignácio, em 30 de novembro de 1798, era filha de João Garcia de Sá Barroso (outro) e Magdalena de Castro, enquanto Ignácio era filho de Antonio Ferreira de Mendonça (ou Macedo) e Francisca do Carmo.

Antonio Ferreira de Mendonça era filha Manoel Ferreira de Macedo e Anna dos Prazeres de Mendonça. Já Francisca do Carmo era filha do português Antonio Garcia de Sá, e Maria Dornelles Bittencourt. Também eram filhos de deste último casal: Antonio Garcia de Sá Barroso, esposo de Anna Lins; e João Garcia, esposo de Magdalena de Castro.

João Damasceno Pereira e Thomaz de Araújo Pereira (2º) eram filhos do português de Viana, Thomaz de Araujo Pereira, e da paraibana Maria da Conceição de Mendonça; as esposas deles eram filhas do português Rodrigo de Medeiros Rocha e Apolônia Barbosa de Araújo. 

As irmãs Anna Lins de Vasconcelos e Thereza Lins de Vasconcelos eram filhas de Alexandre Rodrigues da Cruz e Vicência Lins de Vasconcelos. Uma filha de Thereza, como o mesmo nome da avó, Vicência Lins de Vasconcelos, casou com Cipriano Lopes Galvão (2°).

Aí, pois, parte da minha ascendência do Seridó. O ano novo bem melhor para todas as pessoas do mundo.
Severina Cláudia e os bisnetos

Severina Cláudia e os filhos

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Genealogista Joabel Rodrigues .

Morre aos 77 anos o escritor e historiador currais-novense Joabel Rodrigues

Joabel 01Morreu na tarde deste domingo (21) aos 77 anos o historiador, pesquisador e escritor currais-novense Joabel Rodrigues de Souza. Ícone seridoense e potiguar das pesquisas e livros que contam a história da cidade que o acolheu ainda criança, Joabel deixa um grande legado para Currais Novos principalmente por ter resgatado em suas obras fatos sobre o descobrimento, povoamento e desenvolvimento desta terra, e livros emblemáticos como “Totoró, berço de Currais Novos”.
O prefeito Vilton Cunha disse que Currais Novos e o Rio Grande do Norte “perdem um grande homem”. “O professor Joabel nos deixa muitos ensinamentos e um grande amor à esta terra”, disse. O corpo do historiador foi velado no Salão da “Galeria dos Ex-Prefeitos” no Palácio “Raul Macedo”, sede do executivo municipal.
Às 9h foi celebrada missa de corpo presente na Matriz de Sant’Ana e após o sepultamento no cemitério de Sant’Ana, no centro da cidade.
Fonte:ASSECOM

3 comentários ↓

#1 Francisca Paulina do Nascimento em 12.23.14 at 0:20
Um grande amigo. Um ser humano de um coração maior que seu peito, capaz de dá amor a pessoas que nem conhecesse, exalava cheiro de caridade por seus polos. Hoje choramos e nos entristecemos com sua partida, mas nos alegramos ao mesmo tempo com sua libertação dos sofrimentos terrenos. Descanse em paz amigo Joabel nos braços do Pai.
#2 GOMES em 12.24.14 at 0:04
Encontrei-me, pela última vez, com o ilustre pesquisador, historiador e professor currais-novense havia alguns meses na Fundação José Bezerra Gomes. Ele já se movimentava numa cadeira de rodas, ou seja, os atos de locomoção (ir e vir) estavam limitados. Mas, intelectualmente, estava em plena lucidez.
Foi-se o homem, mas ficaram os bons exemplos e os atos de bondade.
Que Deus, na sua infinita bondade, dê ao Professor Joabel Rodrigues de Souza o lugar reservado aos justos e, ao mesmo tempo, conceda à família enlutada o conforto necessário para suportar a dor e a saudade.
#3 JEREMIAS em 12.24.14 at 16:20
A cidade de Currais Novos contabiliza, nos últimos tempos, perdas irreparáveis, quando se trata dos seus filhos mais ilustres, no que diz respeito à geração dos mais novos.
Em se falando da perda irreparável da geração dos mais novos, é bom que se cite, pelo menos o nome de alguns dos mais jovens.
Monsenhor Ausônio Araújo, Padre Cortez, Historiador Antônio Quintino, Professor Cortez Pereira, Poeta Celestino Alves, Radialista Assis Silva, Professor Joabel Rodrigues.

Thomaz Lourenço da Cruz


terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Thomaz Lourenço da Cruz, lá do Quimporó




João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, sócio do IHGRN e do INRG
Do amigo Eliton Medeiros recebo um e-mail sobre um dos meus tetravós: Tudo bem? Então, lendo suas coisas sobre os descendentes de Thomaz de Araújo Pereira, de Florânia, lembrei que há algum tempo um amigo meu me passou umas folhas do inventário dele (Thomaz Lourenço) de 1849, que tem a lista de herdeiros que servirá para suprir as suas dúvidas da relação de filhos. O pessoal de Thomaz Lourenço, os Lourenços como são conhecidos, mora até hoje em Nova Palmeira-PB. Pessoalmente, conheço muitos membros dessa família que tem a pele rosada avermelhada, estatura elevada e muito louros. As casas velhas deles ainda se encontram de pé há alguma distância de Nova Palmeira, na "Data da Corujinha", numa região do município que faz fronteira com Carnaúba dos Dantas. Deve ser uns 8 km da cidade e são verdadeiras fortalezas pelas suas paredes, tamanho e altura. Espero ter contribuído um pouco para as suas pesquisas.
Das folhas enviadas por Eliton, extraí as seguintes informações: No dia 10 de julho de mil oitocentos e quarenta e nove, na casa de residência do Juiz Municipal, e de Órfãos, da Vila de Acari, Gregório José Dantas, compareceu D. Maria Rosa do Nascimento, viúva que ficou por falecimento do seu marido Thomaz Lourenço da Cruz. Disse a viúva que seu marido faleceu no dia 25 de maio daquele ano corrente, sem deixar testamento.
No título de herdeiros, além de Maria Rosa do Nascimento, foram listados 13 filhos. Vamos apresentá-los, complementando com outras informações obtidas em outras fontes.
Thereza Maria José, que casou com Manoel Ignácio de Lima, na Fazenda Quimporó, aos 11 de fevereiro de 1836, sendo ele filho de Francisco dos Santos Lima e de Maria Joaquina de Vasconcelos, na presença das testemunhas Alexandre de Araújo Pereira, solteiro e Luiz do Rego Brito, casado.
Ana Gertrudes de Santa Rita, que casou com André de Araújo Pereira, no mesmo local e data acima, e filho do mesmo casal acima, sendo testemunhas José Garcia do Amaral e Alexandre Batista dos Santos.
Thomas Lourenço de Araújo, que casou, na Fazenda Quimporó, aos 15 de setembro de 1840, com Francisca Maria da Conceição, na presença das testemunhas André de Araujo Pereira e Luiz do Rego Brito.
Maria José do Nascimento, que casou no Sítio Quimporó, aos 20 de julho de 1847, com Thomas Alves de Araújo, filho de Beraldo de Araújo Pereira e de Joana Batista do Santos, na presença de Fidélis de Araújo Pereira e Simplício Dantas de Medeiros.
Isabel Maria da Encarnação casada com Miguel Arcanjo do Rego.
Francisca Ermina (ou Hermínia) de Jesus, que casou no Sítio Quimporó, aos 20 de julho de 1847, com Alexandre Manoel de Medeiros, filho de Silvestre Garcia do Amaral e de Ana Vitorina dos Santos, na presença das testemunhas Antonio Garcia do Amaral e José Pereira da Costa.
Ignácio Rodrigues da Cruz, que casou, primeiramente, no Sítio Garota, aos 22 de setembro de 1843, com Isabel Francisca, viúva de José Pereira Bolcont, na presença das testemunhas Thomaz de Araújo Pereira Junior e Manoel Lopes Pequeno Junior; casou, pela segunda vez, aos 24 de agosto de 1854, na Fazenda Passagem, com Maria Alexandrina de Vasconcelos, viúva de Joaquim Garcia dos Santos, e filha de Alexandre Garcia do Amaral e de Maria Angélica do Rosário, na presença das testemunhas Alexandre Garcia do Amaral Junior e Manoel Rodrigues da Cruz.
Guilhermina Maria da Conceição, que casou aos 20 de julho de 1847, no Sítio Quimporó, com Silvestre José Dantas, filho de João Damasceno Pereira e de Angélica Maria do Amaral, na presença doas testemunhas André Corsino de Medeiros e Alexandre Pereira de Araújo.
Joaquim Theodoro da Cruz, que casou aos 28 de novembro de 1848, com Rita Joaquina de Medeiros, filha de Alexandre Garcia do Amaral e de Maria Angélica do Rosário; foram os pais do tenente Laurentino Theodoro da Cruz.
Manoel Rodrigues da Cruz, 21 anos, meu trisavô; Casou primeiramente, aos 24 de novembro de 1853, na Fazenda Passagem, com Inácia Maria da Conceição, minha trisavó, filha de Alexandre Garcia do Amaral e de Maria Angélica do Rosário, na presença das testemunhas Alexandre Garcia do Amaral Junior e José Paulino Dantas; casou, pela segunda vez, aos 21 de maio de 1859, com Antonia Francisca da Conceição, filha de Luiz José Machado e de Ana Francisca de Melo, na presença das testemunhas Joaquim Thedoro da Cruz e Manoel Correia Barbosa; casou pela terceira vez com Umbelina Olindina Bezerra Cavalcante.
Vicência, com 16 anos, mas sem nenhuma outra informação.
Alexandre Olegário da Cruz, com 13 anos, que casou aos 02 de maio de 1863, com Josefa Maria de Jesus, filha de Rodrigo José de Medeiros Junior e de Francisca Maria de Medeiros.
Pacífico Rodrigues da Cruz, com onze anos, que casou com Anna Senhorinha de Medeiros, filha de Manoel Bruno de Medeiros e de Maria Rosa de Jesus.
Lembramos que Alexandre Garcia do Amaral e Maria Angélica do Rosário eram os pais de João Porfírio do Amaral, conhecido como o “mata e queima”.
Luíza Avelino e Heráclito Clementino de Medeiros, descendentes.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Pesquisador e professor João Felipe descobre notícias sobre o bárbaro assassinato de comerciante de Florânia.

erça-feira, 16 de dezembro de 2014

Flores, as tragédias de Zé Leão e João Porfírio




João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, membro do IHGRN e do INRG
Desde pequeno que a expressão “mata e queima” povoa a minha mente, sem que eu tivesse maiores detalhes do que ocorreu no passado, na minha família. Ademais, fatos ocorridos, em anos mais distantes, vão se tornando lendas com todos os acréscimos e variações que a mente é capaz de produzir.
Encontro, agora, em velhos jornais, o fio da meada. No “Jornal da Tarde”, de 9 de maio de 1877, havia um elogio a ação do Chefe de Polícia, Ernesto Chaves, exemplificado pela proposição da demissão de João Porfírio do Amaral, subdelegado do distrito de Flores, termo de Acari, em virtude dessa autoridade está envolvida no assassinato de José de Souza Leão, aos 5 de janeiro do ano de 1877. Segundo o jornal, João Porfírio foi pronunciado no art. 192 do código penal, como mandante, e Francisco Nunes da Silva e Antonio da Costa com mandatários.
Nos jornais do Rio de Janeiro, daquele ano, consta nas informações sobre José Leão, que esse indivíduo nutria indisposição com pessoas da família Toscano ali residente, por causa de uma questão de terras.
É fato que João Porfírio foi casado na família Toscano, como podemos ver do registro a seguir: Aos quatro de fevereiro de 1862, pelas oito horas da manhã no Sítio Quixodé, desta Freguesia de Acari, uni em matrimônio, e dei as bênçãos nupciais servatis servandis, sem impedimento algum, obtendo dispensa de parentesco, meus paroquianos João Porfírio do Amaral, e Maria Joaquina de Jesus, filhos legítimos, ele de Alexandre Garcia do Amaral e Maria Angélica do Rosário, e ela de Joaquim Toscano de Medeiros, e Antonia Alexandrina de Jesus; foram testemunhas Joaquim Thomaz de Aquino e Joaquim Urbano de Araújo. Vigário Thomaz Pereira de Araújo.
Posteriormente, encontro, no jornal “Gazeta do Natal”, de 16 de fevereiro de 1889, uma notícia relacionada a João Porfírio, que transcrevo para cá.
No distrito de Flores, termo da Vila de Acari, na noite de 31 de janeiro para amanhecer do dia 1º do corrente, após o estampido de forte descarga elétrica, por entre os clarões dos relâmpagos, caiu um raio sobre a casa de um tal João Porfírio, ali morador, matando instantaneamente as duas filhas deste, já moças.
Esta lamentável ocorrência nos foi transmitida em carta de 4 de abril deste mês, na qual  se nos faz as seguintes reflexões:
Realmente, a morte das duas moças, filha de João Porfírio, fulminadas por uma chama elétrica no meio de uma trovoada animadora, com prenuncio de um bom inverno, tem produzido sérias cogitações no espírito daqueles que acreditam no “castigo dos pais até a sétima geração”.
João Porfírio assassinou José Leão cujo corpo ele, com outros corréus, lançou às chamas de uma fogueira quando ainda estava vivo.
Esse fato assustador, medonho e de descomunal ferocidade, fez espécie em toda província e acha-se registrada nos relatórios e importantes peças oficiais desde o tempo do ex-presidente Satyro Dias.
João Porfírio e seus comparsas foram processados naquele tempo, mas hoje se acham livres de pena e culpa pela escandalosa proteção que lhes foi dispensada no Tribunal de Júri do Acari, figurando como protagonista de todo este cortejo de mais revoltante moralidade o protetor ostensivo dos réus denominados queima gente, o coronel José Bezerra compadre e intimo de João Porfírio!
O Dr. Juiz de Direito, Francisco Clementino Chaves, sabe bem dessa história, e o promotor interino, o deputado Santa Rosa (Cipriano), escolhido a dedo para o gloriosos triunfo de seu irmão José Bezerra (da Aba da Serra), também pode referi-lo com a isenção e pureza do seu caráter.
Passaram-se os tempos, a impunidade foi exultada pelos “homens sérios” desta terra, até que agora, diz o povo, aparece o castigo do céu sobre inocentes criaturas que pagaram com usura as culpas de ferozes assassinos, altamente protegidos. A notícia do jornal “Gazeta do Natal” termina com a frase: São insondáveis os decretos de Deus.
Três irmãs de João Porfírio foram casadas com três filhos de meus tetravós, Thomaz Lourença da Cruz e de Maria Rosa do Nascimento: Maria Alexandrina de Jesus (2º casamento) com Ignácio Rodrigues da Cruz (2º casamento), gerando minha bisavó, Rita Maria da Conceição; Ritta Joaquina de Medeiros com Joaquim Theodoro da Cruz, gerando o tenente Laurentino Theodoro da Cruz, que dá nome a um município do Rio Grande do Norte; e Ignácia Maria da Conceição com Manoel Rodrigues da Cruz, gerando meu bisavô Alexandre Garcia da Cruz. Um filho dos meus bisavós, Alexandre e Ritta, listados acima, casou com uma neta de João Porfírio, como podemos ver do registro a seguir.
Aos dez dias do mês de outubro de 1923, no Sítio Trapiá, desta Freguesia, depois das denunciações canônicas, e sem aparecer impedimento algum, nas presenças das testemunhas Thomaz Garcia da Cruz, e João Porfírio Netto, assisti ao recebimento matrimonial de meus paroquianos Celso Mariano da Cruz, com Corina Clotildes do Amaral, filhos legítimos, ele de Alexandre Garcia da Cruz e Ritta Maria da Conceição, e ela de João Porfírio do Amaral (Filho)), já falecido, e Maria Purificação da Senhora: os nubentes foram dispensados do impedimento do 3º grau igual e simples de consanguinidade; o nubente é natural desta Freguesia, e a nubente é natural de Flores, e ambos residentes nesta Freguesia. O vigário Ulisses Maranhão.
Zé Leão virou símbolo de adoração, e até ganhou uma capela em Florânia. Até a data do seu passamento foi alterada. Nos vários artigos que encontramos na internet, é dado seu assassinato, como se fosse 20 de janeiro, dia de São Sebastião.
Capela de Zé Leão

sábado, 13 de dezembro de 2014

Napion Dantas Cortez faleceu na manhã de hoje.

Faleceu na manhã de hoje, 13, Napion Dantas Cortez, 72, filho de Alfredo Dantas Pegado Cortez e Aura Dantas Cortez.Napion estava fazendo tratamento de leucemia e, após se submeter a uma cirurgia bem sucedida, foi encaminhado para apartamento, ontem, mas houve complicações e faleceu horas depois.
Seu sepultamento será na manhã de domingo, 14, saindo o féretro do Centro de Velório São José. Napion trabalhou na Base Aérea de Natal (foi meteorologista)
Napion residia na rua Jaguarari com as irmãs Dalva, Salete e Albanisa.
Joaquim (Quincó) Pegado Cortez e Guilhermina, os avós paternos de Napion.